A Veterinária não é só isso...

Essa semana uma série de colegas postou a seguinte mensagem em seus perfis do Facebook, o que me deixou um tanto triste:

"Eu nunca vi um pediatra pegando uma criança na rua pra levar pra casa, um geriatra adotando um idoso de um abrigo, um engenheiro construindo casa pra sem teto, um advogado tirando alguém da cadeia só porque é gente boa, um dentista dando prótese a quem não tem dente, dono de mercado dando cesta básica a quem passa fome... Nenhum profissional de saúde dá olhadinha em porta de consultório ou no meio da rua. Nenhum médico que se preze dá consulta e receita remédios pelo telefone. E todo mundo faz juramento! Fico pensando por que as pessoas acham que o veterinário tem obrigação de adotar animais e dar consultas de graça!!! Se vc concorda, clica em curtir e publique em seu mural!!"


Em resposta a essa infeliz postagem, escrevo seguinte:


A Medicina Veterinária vai muito além de fazer um trabalho e receber por ele. Se eu quisesse me comparar a um médico humano ou qualquer outro profissional desse tipo, com toda certeza não estaria fazendo Medicina Veterinária. Quem vai pagar por um procedimento em uma coruja encontrada nos fundos de uma casa com a asa quebrada? Ou quem será o responsável pelos cuidados de uma serpente atropelada? Deixarei um cão de rua morrer pelo simples fato dele não ter um dono que possa pagar?

Nem tudo se resume a dinheiro caros colegas, não na Medicina Veterinária.

Não estou pregando que adotemos todos os cães de rua ou coisa parecida, mas está ao nosso alcance prestar socorro em algumas situações, e ficarmos gratos por ajudar na reabilitação de mais um animal, e não por ver a cor do dinheiro em nossas mãos.

Não é questão de obrigação, é questão de amor a profissão e aos animais que são o motivo da mesma! 

...


“O tempo cura até as feridas mais profundas.” – Isso estaria totalmente correto, não fosse por algumas feridas causarem infecções recorrentes, onde os agentes ficam encapsulados, guardados, escondidos nas entranhas, apenas esperando o momento mais propício para se desenvolverem e tomarem conta daquele pobre corpo enfermo.

É assim na medicina, e é assim nos relacionamentos mal resolvidos.

Deixar coisas subentendidas ou nas entrelinhas é como não limpar bem uma ferida e ter a certeza de que aquela infecção retornará com mais força e fará mais estragos.

O começo de tudo!

... Mas pra se entender direitinho a história da doidice desse tempo, há que se começar do começo, bilhões de anos atrás, quando o mundo foi criado. Tudo era uma seca só!
Não tinha terra, não tinha céu, não tinha bicho, num tinha gente, num tinha nada. Era só o breu.
Ai, deus foi ficando meio enjoado e decidiu criar o mundo.
Ele pensou assim “Vê que besteira minha. Porque é que há de ficar tudo sem nada se eu posso inventar o que eu quiser?” E saiu inventando...
Primeiro deus inventou o tempo, que era pra ter tempo de inventar o resto. Em seguida inventou o céu, que era pra ter onde morar, e como o céu tinha que ficar em cima de alguma coisa, ele inventou a terra pra botar por debaixo. Ai deus pensou “A terra vai ficar assim, só com o céu em cima e sem nada por debaixo não, é?” Ai ele pegou o inferno e botou debaixo da terra.
No começo, a terra só servia pra isso, pra ficar embaixo do céu e em cima do inferno. Foi quando deus disse “Oxente, já que tem a terra eu tenho que botar gente pra morar lá.” E foi assim que ele criou a vida. E no que ele criou a vida já criou a morte junto, pois tudo que é vivo morre.
“Dano-se”, deus pensou na hora, “Se tudo que é vivo tem nariz, boca, orelha e olho, tem que ter uma serventia pra isso tudo”.
Os olhos e o nariz já tinham as deles. Os olhos eram pra olha pro céu e o nariz era pra pessoa respirar enquanto viva, pra parar de respirar pra poder morrer em paz.
Mas carecia arranjar uma utilidade pra boca e pras orelhas. Então foi por isso que deus fez o verbo.
O verbo era como deus chamava as palavras. E deus haja inventar palavra.
Montanha. Rio. Riacho. Elefante. Jumento. Capim. Abacate. Saputi. Laranja. Cravo.
... Mas como pra cada palavra tinha que ter uma coisa, deus teve que inventar um monte de coisa, pra ficar uma coisa pra cada palavra. E os homens ainda acharam pouco e se botaram a inventar mais coisa ainda.
Prego. Parafuso. Mungunzá. Picolé. Quadro. Caneta...
Desde o começo do mundo até esse tempo, muita palavra se inventou, muita coisa aconteceu, muito tempo teve que passar até chegar o dia do nosso tempo...




(A máquina - O amor é o combustível)

Você pode ir na Janela



Se não vai
Não desvie a minha estrela
Não desloque a linha reta

Você só me fez mudar
Mas depois mudou de mim
Você quer me biografar
Mas não quer saber do fim

Mas se vai

Você pode ir na janela
Pra se amorenar no sol
Que não quer anoitecer

E ao chegar no meu jardim
Mostro as flores que falei

Vai sem duvidar
Mas se ainda faz sentindo, vem
Até se for bem no final
Será mais lindo

Como a canção que um dia fiz
Pra te brindar

Você pode ir na janela
Pra se amorenar no sol
Que não quer anoitecer
E ao chegar no meu jardim
Mostro as flores que falei


Você só me fez mudar
Mas depois mudou de mim

Saudade(s) ...

Ontem eu senti saudade!

Espera: Saudade ou Saudades? No final não importa, o que eu senti foi falta!
Mas porque ontem? Mas porque falta?
Não é que eu não sinta saudade(s) em outros momentos, visto que é o que sinto, o que aocntece é que ela fica guardada, escondida, injuriado com minha pessoa, que tenta mostrar-se firme, forte feito pedra.
Só que algumas vezes essa saudade é tanta que ultrapassa os muros do meu ser, e me desmonta, desarma, desmantela minhas defesas até me amolecer.
Minha saudade quer ser vista, e principalmente sentida.
Ontem foi assim, o que se via era apenas um pedaço de mim, o resto era saudade.

Saudade(s) de que?

Sinto saudade(s) de quase tudo que já fez e faz parte de mim. Sinto falta de quem esteve comigo há seis anos e de quem acabou de se despedir de mim. Sinto falto de tudo que fica pra trás após cada passo.

Cada pessoa, cada olhar.. cada habilidade descoberta e exercitada...

Como diria um 'aspira' amigo meu: paisano carente!
Digo: Sou sim! Ou melhor: Estou sim!

Pra quem não sabe, eu tenho namorada! Uma daquelas bem bonitas, simpáticas e inteligentes... um modelo raro de se encontrar hoje em dia!
Dia desses nós completamos nove meses de namoro, mas infelizmente eu não pude estar com ela. Por conta disso essa euforia de saudades tomando conta de mim.

Sinto falta, senti falta / saudade / tudo isso e mais um pouco.

E esse texto é sobre isso. A falta que nos faz...

(A falta que você me faz.)

Afinação acontece.



"Pela janela do quarto vejo o tempo passar...
cada segundo se esvai sem muitas mudanças...
o sol, o vento.. cada componente se tornando um...
cada um se tornando o todo..."

...

Uma experimentação fotográfica e musical!

443 fotografias.
Violão com afinação modificada.
Uma tarde de ócio produtivo!

...

Henrique Nogueira - Fotografias, música e edição.

É isso... e que venha 2011!

É preciso agradecer pelo que se aprendeu, por aqueles amigos que você fez e pelas amizades que fortaleceu. Agradecer também pela namorada que você arrumou e que já te atura há sete meses.

É preciso agradecer por existirem pessoas que pensam como você e dão crédito àquelas besteiras que você escreve no twitter e nesse blog.

Existem também aqueles que te acompanham nas aventuras e empreitadas fotográficas e ‘herpetológicas’ da vida, a essas pessoas, muito obrigado!

Agradeço a todos que fizeram do meu 2010 um ano mais agradável. Todos vocês foram inacreditavelmente fodásticos.

No final das contas a gente reclama da vida por puro comodismo.

Eu tenho uma vida ‘do caralho’, e devo tudo isso a todos vocês que sempre estão ao meu lado.

Um agradecimento especial a minha família, principalmente a minha mãe e irmão! Vocês são incomparáveis.

E que 2011 seja inúmeras vezes mais fodástico e produtivo que 2010!

Façamos valer acontecer!


#2011euacredito

Morre Lentamente - Pablo Neruda

.. look at the sun!

Morre lentamente quem se transforma em escravo do hábito, repetindo todos os dias os mesmos trajetos, quem não muda de marca, não arrisca a vestir uma cor nova, quem não fala com quem não conhece.

Morre lentamente quem faz da televisão o seu guru.

Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o escuro ao invés do claro e os pingos nos "is" a um redemoinho de emoções, exatamente a que resgata o brilho nos olhos, o sorrisos nos lábios e o corações aos tropeços.

Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz no trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho.

Morre lentamente quem não se permite pelo menos uma vez na vida, ouvir conselhos sensatos.

Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem não encontra graça em si mesmo.

Morre lentamente, quem passa os dias queixando-se da sua má sorte ou da chuva incessante.

Morre lentamente quem destrói o seu amor-próprio, quem não se deixa ajudar.

Morre lentamente, quem abandona um projeto antes de iniciá-lo, nunca pergunta sobre um assunto que desconhece e nem responde quando lhe perguntam sobre algo que sabe.

Evitemos a morte em suaves porções, recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior que o simples ar que respiramos.

Somente com a infinita paciência conseguiremos a verdadeira felicidade.


Arte

"(...) Seria perfeito se não fosse profano

O corpo, o gosto, o gesto...

É templo da incerteza em minha vida

Que venera as formas sinuosas do teu corpo

Os montes, os vales, as selvas...

Cada pedacinho esculpido com fiel delicadeza

Uma representação realista do meu desejo

A arte em sua mais perfeita forma..."


....


E não satisfeito pelo feito, acrescentou-lhe no lugar dos olhos espelhos, daqueles que refletem os anseios de uma alma sedenta por mover-se fora daquela escultura.

Moldou o corpo, os olhos... Deu-lhe alma e anseios, mas esqueceu de dar-lhe vida.

A queria em uma moldura.


Por Henrique Nogueira

Faça valer a pena!

Sinta-se seguro de si mesmo! Os seus atos são única e exclusivamente responsabilidade sua.

Não se preocupe com rótulos, notas ou valores atribuídos a você. Não se preocupe com o que os outros vão falar.

Seja o dono do seu próprio destino. Enfrente cada desafio em seu devido tempo, mas nunca deixe de enfrentá-los.

O importante é ter seus objetivos claramente traçados.Quanto ao caminho que o levará até eles: não deixe que seja comum e monótono. Busque novas rotas, alternativas. Dê crédito a aquelas idéias que pareciam perda de tempo.

Não se deixe levar pelos comentários alheios.

Tenha em mente seus objetivos e os siga!

Faça de cada dia uma nova aventura! Não sinta medo de mudar. Arrisque.

Quem se acomoda se atrofia!

Não se limite a viver em um aquário, vislumbre todo o oceano.

Sinta-se realizado a cada nova conquista, por mais insignificante que essa possa parecer aos olhos do mundo. Alegre-se com as coisas simples da vida!

Procure viver bem, procure ser feliz, procure fazer o bem... E aproveite ao máximo o tempo que você tem!



Em 2011, faça valer à pena!


Por Henrique Nogueira


Poderia escrever tanta coisa agora... Coração na mão, posso vê-lo bater.

Estou tremendo tanto que mal consigo beber meu copo com água.
Cabeça a mil, coração parando.

Por Henrique Nogueira

Todo ano a gente é conduzido por caminhos totalmente diferentes, enfrenta situações e problemas totalmente diferentes, e é o que a gente faz diante de todas essas 'desventuras' que define se estamos aptos a continuar ou não.


Por Henrique Nogueira

Incondicional

"(...)Toda história de amor e uma cerimônia de adeus."

Porque que não nós apaixonamos todo os meses de novo?
Porque por altura de cada separação uma parte de nossos corações fica desfeita.
Assim, nos esforçamos mais para evitar o sofrimento do que na busca do prazer.

Eu sempre achei que o amor, que o grande amor, fosse incondicional.
Que quando houvesse um grande encontro entre duas pessoas tudo pudesse acontecer, porque se aquele fosse o grande amor ele sempre voltaria triunfal.

Mas nem todo amor é incondicional.

Acreditar na eternidade do amor é precipitar o seu fim.
Porque você acha que esse amor aguenta tudo, então de um jeito ou de outro, você acaba fazendo esse amor passar por tudo.

Um grande amor não é possível.
E talvez por isso é que seja grande, para que nele caiba o impossível.



Afinal o que querem as mulheres, episódio 05.

Por hora...

Onde estão as intempéries que movem as engrenagens da minha imaginação?

Cabeça fria olhando ao longe. Céu limpo.

Algumas poucas nuvens de insegurança se apresentam... Nem chegam a incomodar, logo são sopradas para além do horizonte.

Retiro os meus sapatos. Prefiro sentir o chão sob os meus pés, mas nem assim consigo organizar os pensamentos.

Sinto falta dos versos desajeitados e do coração na mão... Trôpego, mas certeiro.


Por Henrique Nogueira

O amanhã

Coca

Durante a madrugada meu cérebro ferve.

Grilos, cães, vozes.. tiros e mais um milhão de coisas.

( CONCENTRAÇÃO )

Grudo os olhos no 'PC'.
... HTMLs, HTTPs, <> [ /i ]
Códigos, códigos e mais códigos...
Código pra isso, código praquilo... Esquece.

- Ta pedindo senha! E agora?
- O login ta certo? (tá) .. Tem certeza? (ha... espera)

respira, pensa...

-Lembrei! falta validar o cadastro! Só pode ser isso..

[EMAIL] - [CAIXA DE SPAM]

- Chega, desisto! Cadê meus biscoitos com coca-cola?

(O relógio marca 03:21 da manhã)

"... a coca cola não vai te deixar dormir... e amanhã é segunda feira!"

- Ah, que se dane!

Coca-cola ... C - O - C - A cola

Neurônios a mil, cérebro fervendo... - QUERO PARAR!

(Agora é tarde demais... no relógio ja passam das 5h da manhã)

Por Henrique Nogueira

Vermelho!

... é vermelha a cor da pele.

Rubor, fervor... calor latente...
Vapor d'água embaçando o espelho.

... sangue... suor... o sal da pele.. e o chão da sala
Dedos perdidos, mãos perdidas...
marcas espalhadas pelo corpo
tatuagem rubra no meio da coxa

sussurros... risos... exaustão!

é vermelha a cor dos olhos.. a cor do sangue... a cor da pele que transpira.
é vermelha a cor dos corpos estendidos pelo chão.

Por Henrique Nogueira

O Mistério do Planeta.




Vou mostrando como sou
E vou sendo como posso,
Jogando meu corpo no mundo,
Andando por todos os cantos
E pela lei natural dos encontros
Eu deixo e recebo um tanto
E passo aos olhos nus
Ou vestidos de lunetas,
Passado, presente,
Participo sendo o mistério do planeta
O tríplice mistério do "stop"
Que eu passo por e sendo ele
No que fica em cada um,
No que sigo o meu caminho
E no ar que fez e assistiu
Abra um parênteses, não esqueça
Que independente disso
Eu não passo de um malandro,
De um moleque do brasil
Que peço e dou esmolas,
Mas ando e penso sempre com mais de um,
Por isso ninguém vê minha sacola

Tudo em um 'click' ...



Um bom fotógrafo, por mais amador que seja, é aquele que consegue expressar seus estados de espírito em uma fotografia, transmitir seus pensamentos e ideais em um "click".
(Por Henrique Nogueira)

Menos - Porcas Borboletas

Eu sei
Eu sei que não era pra eu ser assim
que eu devia tomar as doses nas horas certas
Eu sei que eu devia dormir boas noites de sono
e que eu devia fumar menos
escovar os dentes com pastas pra gengivas sensíveis
e perambular menos na rua quando todo mundo já foi
e não me jogar tanto quando alguém me abre os braços
e beber menos
e amar menos
eu devia parar


e pensar menos
eu sei que eu devia pensar menos
e falar menos
eu sei que eu devia falar menos
pra viver mais
eu sei que eu devia viver menos
mas eu não sei viver menos