Por hora...

Onde estão as intempéries que movem as engrenagens da minha imaginação?

Cabeça fria olhando ao longe. Céu limpo.

Algumas poucas nuvens de insegurança se apresentam... Nem chegam a incomodar, logo são sopradas para além do horizonte.

Retiro os meus sapatos. Prefiro sentir o chão sob os meus pés, mas nem assim consigo organizar os pensamentos.

Sinto falta dos versos desajeitados e do coração na mão... Trôpego, mas certeiro.


Por Henrique Nogueira

1 Já Comentaram:

Sayonara disse...

Me identifico demais. Coração na mão também faz falta, a intensidade faz falta quando temos o sossego, a calma... Ai ai, seres humanos.