Verdades sobre a Vida

1ª Verdade

Deus não dá asas a cobra;

2ª Verdade

O problema do mundo é a má alimentação;

3ª Verdade

Pra quem não tem nada, metade é dobro;


4ª Verdade

O sol é para todos, mas a sombra para poucos;

5ª Verdade

De que vale um tanquinho, se a torneirinha não funciona;

6ª Verdade

Pecado é não viver;


7ª Verdade

Melhor amanhecer arrependido do que amanhecer na vontade;

8ª Verdade

Estudar é pros fracos, os fortes inventam sua própria teoria;

9ª Verdade

Se não for ruim, não sou eu;

10ª Verdade

Papagaio que acompanha joão de barro, vira ajudante de pedreiro (Ana Carolina e Seu Jorge);

11ª Verdade

A ignorância é uma virtude.


Autora: Júlia Reder

Postado Originalmente pelo Alanândia

Cigarro - Zeca Baleiro

A solidão é meu cigarro
Não sei de nada e não sou de ninguém
Eu entro no meu carro e corro
Corro demais só pra te ver, meu bem

Um vinho, um travo amargo e morro
Eu sigo só porque é o que me convém
Minha canção é meu socorro
Se o mar virar sertão, o que é que tem?

Dias vão, dias vêm, uns em vão, outros nem
Quem saberá a cura do meu coração se não eu?
Não creio em santos e poetas
Perguntei tanto e ninguém nunca respondeu
Melhor é dar razão a quem perdoa
Melhor é dar perdão a quem perdeu

O amor é pedra no abismo
A meio-passo entre o mal e o bem
Com meus botões à noite cismo
Pra que os trilhos, se não passa o trem?

Os mortos sabem mais que os vivos
Sabem o gosto que a morte tem
Pra rir tem todos os motivos
Os seus segredos vão contar a quem?

Dias vão, dias vêm, uns em vão, outros nem
Quem saberá a cura do meu coração se não eu?
Não creio em santos e poetas
Perguntei tanto e ninguém nunca respondeu
Melhor é dar razão a quem perdoa
Melhor é dar perdão a quem perdeu

Não creio em santos e poetas
Perguntei tanto e ninguém nunca respondeu
Melhor é dar razão a quem perdoa
Melhor é dar perdão a quem perdeu


(Cigarro - Zeca Baleiro)

Se fosse assim, simples, seria normal ver tal cena repetida inúmeras vezes pelas calçadas, bares e restaurantes... Sem aquelas irritantes olhadas cortantes, que parecem estar rasgando a alma dos jovens.


Por Henrique Nogueira

09:29

O dia se esvai com um lamento solitário

Um corpo deitado na grama, olhos fechados, aproveitando a sombra de uma árvore.

Era simples, belo e inquietante.

Tanta paz, tanta leveza. A brisa. As flores.

Ah... A brisa.


Por Henrique Nogueira

Biodiversidade - ILPC

Biodiversity 2010 from iLCP on Vimeo.

O que é Biodiversidade?

... Humanos, anfíbios, plantas, mamíferos, peixes, répteis, árvores, pássaros, insetos, invertebrados... Todos nós!

Biodiversidade é o elo que nos une.

O ar que respiramos.

A água que nós bebemos.

Medicina.

A comida que nos sustenta.

E nossos valores culturais.

E mais: esse ele não pode ser quebrado!

Por quê?

... Pobreza, perda de habitat, desigualdade.. Extinção!

Quanto já foi perdido?

E quanto ainda vamos perder?

... Podemos nos dar ao luxo de perder?

A história ainda não acabou...

O próximo capítulo depende de você!

Velhas lembranças...

Eu costumava guardar objetos que representassem pessoas, dias, sentimentos... pra que um dia eu pudesse olhar para eles e lembrar das coisas boas da vida. Ficava tudo guardado numa caixinha amarela (meio alaranjada).


De uns tempos pra cá eu fui ficando sem espaço pra essas 'lembranças', não só na caixinha, mas também na minha cabeça. Precisava esvaziar um pouco. E foi isso que eu fiz.

Dei fim as velhas lembranças, coisas que hoje em dia não tem mais significado...

O tempo passa e as pessoas mudam.. as coisas mudam...

Agora eu tenho um "HD" mais limpinho!

Por Henrique Nogueira

(...)

.. por hora, vou guardar essa minha vontade de falar mal de algumas pessoas (comentar os fatos da vida), e me divertir um pouquinho só observando tudo!


Por Henrique Nogueira

Rumo ao Sol!

Ele levanta pela terceira vez. Caminha em direção ao Sol. A garota ao seu lado diz “vai primeiro!”, e ele, sem pensar duas vezes, se joga na imensidão do Dia, na incerteza das horas que passam velozes, em meio aos segundos que mais parecem facas cortando a sua pele, transformando cada ferida em um novo desafio.

Ele levanta. Caminha em direção ao Sol!


(C. Henrique de O. Nogueira)